Entrevista 01/12/2014

Foto: jorge Martins

Edith Rizzo mostra - Mar, Mata e Magia- na Ilha Grande


De 12 a 23 de Dezembro na Casa de Cultura do Abraão na Ilha Grande


“1992... Ilha Presídio... Essa era a realidade que encontrei 22 anos atrás. Um dia chuvoso onde desembarquei minha mudança em frente à farmácia do Baixinho e levamos horas carregando tudo morro acima. Minha nova realidade, casa na selva. Insetos, cobras, bugios e ‘Meu Santo” para me salvar. As Barcas não eram diárias, dois postos telefônicos somente, que hora funcionavam, hora não. Luz? Bem...não mudaram muito ainda as coisas por lá...mas cheguei a ficar 9 dias sem luz.Mas o presídio foi implodido e ninguém e nem nada pode conter o turismo sem regras, infelizmente.Mas o que de melhor eu encontrei na ilha, naquela época, foram as pessoas, de todas as idades. E crianças....ah as crianças da ilha, eram únicas, tinham brilho no olhar e um encanto invisível, que somente a simplicidade oferece. Pouca TV e muitas brincadeiras”.

É com esse espírito que Edith Rizzo expõe pela primeira vez na Ilha Grande, ela apresenta “Mar, Mata e Magia” de 12 a 23 de dezembro na Casa de Cultura do Abraão.   

- Foram muitas lutas, acredito que a maior foi insistir em viver de arte geograficamente isolada, outra luta foi gerar uma filha ‘batjeca’, caiçara, ilhéu, e viver toda a plenitude de cria-la ali, de pé no chão, pisando em redes. Uma luta realmente gloriosa.

Edith nasceu em Santa Adélia, SP, depois fez o curso de desenho em Catanduva, SP e em Londrina, PR fez o curso de matemática na UEL. Também em Londrina participou do “Projeto Barracão de Artes e Ofícios” espaço de educação e produção cultural em artes plásticas, poesia e teatro. Sobre o momento atual a artista explica que pouca coisa mudou nos seus trabalhos:

- Os temas continuam os mesmos, sempre falando da mata e da magia caiçara. O que eu acho que mudou um pouco foi o aprimoramento da minha técnica, estou mais segura em passar uma ideia para tela. Além de aumentar bastante minha produtividade, explica Edith.

A artista acha que seu momento atual se parece muito com o período que morou na Ilha Grande, onde pintar era sua primordial atividade. Para ela, voltar neste momento depois de 22 anos tem um sabor todo especial uma vez que nunca pode montar uma individual.

- Foco bastante grata pelo convite e ao mesmo tempo bastante emocionada. A Ilha Grande é muito importante na minha vida, acredito que não sairia de lá se tivesse condições de sobreviver de arte. Aproveito para convidar você que foi meu aluno e que cresceu e que talvez nem o reconheça mais, pra vir estar comigo. Quero ver sua família, ganhar e dar abraços que ficaram guardados nas salas da Brigadeiro Nóbrega, quando compartilhamos sonhos e desejos. comenta emocionada.

Edith Rizzo mora em Paraty há 11 anos onde também fez inúmeros amigos e fãs:

- Divido minha vida entre a pintura e a educação, sou professora de matemática. Talvez por isso precise tanto da fantasia de meus quadros, o fato é que quero ver todos lá, os amigos daqui, de lá e de todo o lugar, sorri nossa pintora.  

Maiores informações: edithrizzo@ig.com.br

 

   


 

  

  

 

 

 

 

Galeria de Fotos

Edith Rizzo

Edith Rizzo

Foto: jorge martins

Edith Rizzo

Edith Rizzo

Foto: jorge martins

Edith Rizzo

Edith Rizzo

Foto: jorge martins

Desenvolvimento: PWI

© 2011 A janela de Paraty. Todos os direitos reservados.